quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Aquilo que todos querem saber de mim, quem eu sou. Ora veja, se eu soubesse, toda vez que sinto uma tempestade dentro de mim, a transformaria em deserto, e desse deserto, certamente nasceriam flores, e uma dessas flores teria um nome, e esse nome, seria violeta. Mudo de jeito, forma e cor em segundos, me sinto a pior e a melhor num piscar fugaz, me perco e me acho em mim. Dentro de mim existe uma infinidade de "eu", gritando, esmurrando, querendo vir a tona, uns me assustam, outros me enojam, mais eles existem, confesso: sinto medo de alguns. Tal qual hoje sou uma violeta, ás vezes eu gosto de ser violeta, mas só as vezes, eu não sou tão boa assim. De cor roxa e folhas verdes, talvez de noite eu deixe de ser violeta e me transforme num lírio do campo e vôe solta pela imensidão dos meus desejos. Me permito acordar margarida, tímida e pura, e no dia seguinte uma rosa estonteante, cheia de vida, de perfume inigualável. A complexidade bate a minha porta, a medida que eu perco o sentido, amanheço sorvete, quando viro gelo, terra, lápis, eu não me decifro, pois não me prendo a nada, eu não tenho explicação. Vivo lutando contra as minhas vontades escusas e com a mesma força, e em silêncio, nutro todas elas secretamente...

2 comentários:

Israel (Peace) disse...

eu entendo...
assim... Pleno e vazio...
e sem se bastar na propria solidão...
E o tudo é o nada DEFINIDO...

Israel (Peace) disse...

a proposito... eu nao quero saber quem vc é...ao menos ainda não...
esse tipo de pergunta é igual a "quer namorar comigo?" ninguem tem uma resposta sincera e pronta na hora....
é estranho, mas eh verdade...

eu simplesmente aceito...
é muito mais agradável assim....