terça-feira, 28 de agosto de 2007

O tempo Perguntou pro Tempo

Eu preciso de tempo, e ele sempre escapa de mim, é uma fuga que não tem volta. Olho pro relógio e ele não mostra que a vida veio e deixou um adeus, to cansada do vazio das idéias, preciso urgentemente saber o que existe ali, naquele lugar, que vai além de tudo que é passível de fazer sentido. As escolhas nunca foram tão difíceis, e sinto que cada passo me aproxima mais da escrotice. As incertezas do futuro me fazem ver as cores no céu, o abraço daquele menino, já não me conforta mais. Preciso de paz, eu quero esquecer a loucura, preciso entender de amor antes de jogar as rosas no chão, preciso que ela saiba que chocolate não é tudo, e que o amargo ás vezes pode ser muito mais doce que caramelo, não posso dar atenção a tudo que quero, me sinto incapaz. Tenho que aprender a gostar de ficar comigo, enquanto não me esqueço de espalhar alegria com um simples sorriso, tá doendo, mas eu nem ligo, já me acostumei a rastejar e implorar por puro vício. Parece que vou quebrar a qualquer momento, então não me aperte forte, fique distante, me deixa ser triste, pois há de ter beleza numa lágrima de dúvida...

Um comentário:

Israel (Peace) disse...

enquanto vc tem que aprender a estar só com vc. Eu me sinto na obrigação de te dizer...

seu espirito jamais se aquietará...
jamais...

e o que eu nao daria para ter o chao de volta....